Make your own free website on Tripod.com

...trapeira de tanto falhado, filosofias de tanto ninguém...

Nenhum mistério.

Enquanto a memória for celebrada como História, Arqueologia, Museologia, Teatro, informação, etc... estaremos muito longe de celebrar a criação.
O instinto é primário, primitivo e futuro...
Os olhos confundem por serem demasiado exatos; os ouvidos por misturar sons internos e pensamentos, ao saborear a boca e narinas quase que nos mostram a verdade, o tato, contato, amplia a percepção ao limite...
Ser cada vez mais competitivo como se apregoa diariamente na mídia não é bom para o homem livre, para a humanidade... Todo processo civilizatório termina em queda , de reis, impérios, fortunas, etc...
O ocidente e seu inflado ego sempre procurou no oriente, "nas culturas tradicionais", a paz a verdade a espiritualidade etc, etc, etc...
Desenvolvemos mais e mais os sentidos; ouvir, olhar, cheirar, saborear, tocar sentir; cedendo ao progresso e suas revoluções práticas ou ideológicas.
E o futuro chegou com celebrações da vida globalizada e o sepultamento dos homens livres; informalidade é igual a mediocridade, engajamento é progresso.
Culturas tradicionais cultuadas pelo saber espiritual competem e o progresso criou para a liberdade do homem do futuro, de hoje, uma sepultura aberta. ...já jogaram até uma pá de cal pensando estar tudo decidido...
Mas não; a liberdade a verdadeira celebração da criação não cabe numa cova tão rasa, de estados, religiões ou modernidade material...
A celebração que o futuro me trás é da criação de todos os sentidos mais a memória. Memória a ser vivida como mais um sentido, com todos seus conteúdos e sonhos, e talvez o sentido que integre o passado com o futuro que hoje é presente

Celebrações da Vida

textos by Abelardo Alves

"ORIGENS"

Não se trata de um trabalho antropológico mas é um mergulho na memória social através dos espaços urbanos, espaços da arte e também personagens ... Tudo acontece em São Paulo. Esta afirmação calcada em Mário de Andrade se ajusta e reforça o caráter particular deste trabalho.
Particular mas universal já que falamos de uma metrópole tropical.
As cenas da cidade que aqui estão presentes em 2 grupos se organizam em:
1. Acervo ou Origens (arcanos) propriamente ditas e
2. Releituras e temas como praças e esculturas.....
As fotografias de ensaios de arte contém documentos de montagens teatrais, fotografias de filmes e também retratos de personalidades das artes plásticas e arquitetura. Retratos completam o conjunto de imagens. Textos, textos, textos.......
Fórmula, a forma pode ser a interrupção da Criação e como tal não é necessária, o espaço é pluridimensional. Pontos, planos, espaço e tempo se relacionam sempre.

LIMITES MESMO

1. Jovens e adultos na mídia são "expontâneos" e canastrões.....
2. A crítica de jovens de gerações anteriores era a mesma............
3. Nossos estereótipos mostram coisas mal resolvidas nas relações sociais......
4. Não entendemos nossos conflitos ou preferimos não encontrar nossos arquétipos.....
5. Ficamos nos estereótipos massificados da cultura  do consumo........
6. E interiormente o que podemos encontrar?
7. Disciplina ou rebeldia? Acomodação ou revolução? Criativo ou passivo?
8. Onde está o sentido?
9. Cada vez mais fadados ao consumo de estereótipos e pior, os do momento, ocultamos nossos valores arquetípicos.
10. Ou quem sabe obscurecemos o passado e olhamos todas as sombras como sombra somente elegendo a exterioridade de estereótipos como verdades pois estão no foco, na luz. É o conflito resolvido!!!!!!
11. Resta a sofrida disciplina interior ou rebeldia ou um olhar mais atento aos detalhes nas sombras ..........